Uma Espinha No Meu Dedo




Naquele belo dia nublado, estava eu rumo a loja de coisas baratinhas com trabalhadores asiáticos fofos e atenciosos, quando me deparei com um mini cacto que tinha acabado de cair de um cacto do tamanho de uma árvore de 2 metros.
Meu instituto maternal de plantinhas falou: pega e salva. E eu peguei.

Mas quem iria adivinhar que uma plantinha aparentemente inofensiva teria TANTOS mini/micro espinhos que iriam grudar em meus dedos?
Eu poderia até voltar para casa e tirar o que desse com minha pinça de alta precisão, mas porque facilitar o trabalho da natureza, não é mesmo? Fui na lojinha baratinha assim mesmo, e tirei o consegui pelo caminho até chegar em casa. Quando usei a pinça. Mas aí já era tarde demais.

Porque óh só, alguns espinhos eram tão, mas tão pequenos que não consegui tirar nem com uma agulha [eles entraram fundo mesmo]. O jeito foi conviver com a dor até que meu corpo resolvesse expulsar o "corpo estranho". Dá mesma forma que expulsa a sujeira que entra nos poros abertos poros [mas não nos meus, só no de vocês, porque aprendi a cuidar da minha pele com Julia Petit e Vic Ceridono].



Sou assim, não posso ver uma plantinha na rua que já quero levar pra casa.
E foi por isso que surgiu a primeira espinha que tive no meu dedo indicador direito. Que ficou lá até secar como todas as espinhas cavalares que já tive. E eu nem percebi sua partida para dar tchau.


- sempre use luvas para cuidar de um cacto

Nenhum comentário:

Postar um comentário