O Colecionador - John Fowles



Um homem muito perturbado decide de repente que vai colocar a mulher "que ama" dentro de sua coleção particular, que incluem infinitas e raras espécies de borboletas e mariposas. 
* por que conquistar quem a gente ama se podemos trazer a pessoa a força para dentro de nosso lar, não é mesmo?
...

Terminei em três ou quatro dias. E mesmo sem ter em mãos a edição deusa da editora Darkside [buá, buá], não tenho como descrever a felicidade por finalmente ter lido esse livro. 
Aqui o protagonista é o próprio antagonista, com uma personalidade cheia de camadas que me fizeram querer explorar as páginas digitais como louca e pensar: até que ponto Miranda [a coitada mantida em carcere privado] estava disposta a ir para se libertar de Frederick? E ao mesmo tempo em que o livro é maravilhoso, é também terrível. Sério, o antagonista a partir de tal ponto começou a me assustar de verdade. Talvez nem o personagem conhecesse esse lado seu, sempre justificado pelo mal comportamento de Miranda. Afinal, "a culpa é sempre da vitima".


Eu não deveria ter me surpreendido assim com o final da história depois de ver dezenas de casos como esse em Criminal Minds. Mas a parte narrada por Miranda em seu diário tocou meu coração. Pobre coitada.
Alias, falemos sobre isso. O livro é narrado em 4 partes. Três por Frederick, e uma por Miranda.
Só que a parte de Miranda [e isso ninguém falou] é uma repetição de todo o tempo no cativeiro após o sequestro [que já tinha sido narrado por Frederick] só que agora do ponto de vista da vitima. Nem preciso dizer que pulei várias páginas.

E que personagem bem construída foi Miranda!, com todas as nuances de sua personalidade, que vimos através de suas lembranças, da vida e de G.P... Fiquei tão triste com o final que John Fowles deu para ela. Mas como pude esperar outra coisa?, foi como se eu tivesse esquecido quem é o verdadeiro protagonista do livro.
...

Mulheres, atenção! Por conta de como nossa sociedade evoluiu, a seleção natural optou por fazer o homem mais forte fisicamente. Por isso, separe algum dinheiro de seu pagamento para um curso, mesmo que básico, de defesa pessoal. 
Porque casos como o de Miranda, infelizmente, acontecem mais do que vocês possam imaginar. E saber alguns movimentos defensivos pode ser aquilo que vai salvar a sua vida.



"o mal raramente foi tão sinistro"

Nenhum comentário:

Postar um comentário