Hurt My Eyes




Sempre sofri com a claridade trazida pela luz do Sol, mas acho que com a idade [28 and counting], os males da sensibilidade causados pela luz se acentuaram em meus olhos claros. E a dor de cabeça pós um dia ao ar livre se tornou praticamente inevitável. Óculos escuros, agora uso o tempo todo.
Que outra opção me resta?

Coisas como essa a gente aprende a adaptar. Pois assim evoluímos como espécie.
Eu me adaptei ao escolher usar óculos com lente degrade. É escura o suficiente para usar lá fora, e clara o bastante para recintos fechados sem parecer "tão" rude. E olha que nem são tão caras. Na própria ótica você escolhe um modelo de estilo [meu preferido é o cinza que vai ficando transparente] e manda fazer. Tem uma armação velha? Leva para fazer uma lente com proteção UVA/UVB. 
Mas atenção: existem vendedores, que para ganhar comissão, acentuam defeitos na armação para você comprar uma nova. Coisas como "o plástico é fraco, vai quebrar na hora de colocar a lente porque tem essas micro fissuras..."
Fique atento e busque uma segunda opinião.
...

Cadernos, livros... A folha branca que está em todos traz muito aquela indesejada ardência no meu olho. O caderno fofo da Imaginarium, usado para as aulas interneteiras de Dani Noce e Paulo Cuenca foi o último que comprei. 
Não adianta só ser lindo, fotofobia é coisa séria [que precisa ser diagnosticada por um oftalmo].

Ainda bem que tenho meu Kobo para ler meus livros e um bom Moleskine onde escrever os textos que um dia irão ser publicados neste blog.


- way too much light

Nenhum comentário:

Postar um comentário