To All The Umbrellas I've Loved Before




Estava eu pensando hoje, enquanto voltava para casa, em todos os guarda-chuvas que já  tive na minha vida. Sabe, parece ainda hoje que eles são mais que "apenas um acessório para me proteger da chuva".

Não que eu seja muito de usar quando está chovendo, porque adoro uma garoinha, então ele trabalha mais para me proteger do sol, já que não uso protetor solar. 
* isso prolonga muito a vida de meu amiguinho *-*

Teve até um período na minha adolescência que passei pela época de usar apenas no modelo "todo preto", mas daddy vivia pegando o meu guarda-chuva para ir trabalhar [porque era uma cor adequadamente masculina] e não devolvia...
* o que me obrigou a migrar para modelos estampados, sabe, "de mulher"

Eu acho que devo ter tido um modelo azul ma-ra-vi-lho-so com flores, que mais pareciam ter sido pintadas com lápis de cor. 
Mas o que lembro mesmo de ter comprado, se tentar muito puxar a lembrança na minha memória, foi um marrom da Betty Boop em 2009. Meu ultimo ano no Anglo da Tamandaré.
E o usei até ele começar a gritar comigo todas as noites, dizendo que estava com muita dor e que não podia mais executar o serviço.

Sabe gente, um guarda-chuva diz muito sobre a personalidade de uma pessoa. Mas na maioria da vezes ninguém não se importa muito, e acaba pegando a primeira "coisa" que ve na frente para não se molhar.

Eu não, sou muito seletiva.
Uma vez, na faculdade, achei um guarda-chuva branco com pequenos sapatos de cores variadas e um contorno vazado de preto. Mas como o dinheiro me fugia, não pude comprar naquele dia. E quando voltei na loja ele já tinha se vendido para outra pessoa, que teve a sorte de encontrar um amigo bem entendido do mundo fashion.


- faça chuva, faça sol

Nenhum comentário:

Postar um comentário